Custo de cesta básica em BH é o maior em 26 anos

Gasto de R$ 520,79 foi influenciado por pressão generalizada de preços dos alimentos. Aumento alcança 23,64% nos últimos 12 meses, quase cinco vezes acima da inflação acumulada no período O custo da cesta básica em Belo Horizonte chegou a R$ 520,79 em outubro, maior valor já verificado na capital mineira desde 1994, segundo pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), vinculada à UFMG. Os gastos das famílias com os 13 alimentos essenciais que compõem a cesta subiram pelo terceiro mês, com alta de 6,12% frente a setembro e de 12,18% neste ano, sob pressão generalizada de preços O fôlego dos reajustes surpreende, comparado à inflação medida em BH, de 0,69% no mês passado e 3,11% em […]

Continue lendo...

Divulgação índices do mês de outubro de 2020 – Fundação IPEAD/UFMG

É com muita satisfação que o IPEAD/UFMG – Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de MG vem divulgar para toda a sociedade e imprensa os resultados dos estudos/pesquisas realizadas no mês de outubro de 2020. Destaques: O custo de vida em Belo Horizonte, medido pelo IPCA e pelo IPCR, avançou em relação ao mês de setembro/2020, apresentando um aumento de 0,69% em outubro. O resultado foi obtido a partir da pesquisa de preços dos produtos/serviços que são agrupados em 11 itens agregados, sendo os maiores destaques, em termos de variação, as altas de 6,08% para Alimentos in natura, de 3,59% para Alimentos elaboração primária, de 2,50% para Vestuário e complementos e de 2,34% para Alimentos industrializados. No sentido oposto, não houve grupos com queda de variação. O custo da cesta básica apresentou a terceira alta consecutiva em outubro/2020, custando […]

Continue lendo...

Sem dar trégua, preços da cesta básica impõem cortes e hábitos novos

Substituição de produtos mais caros, troca de marcas preferidas e mudança no cardápio são algumas das estratégias das famílias para driblar os aumentos dos preços Os aumentos dos preços do arroz, do óleo de soja e da carne ganharam a companhia da maioria dos itens da cesta básica. Dos 13 alimentos que compõem a despesa típica, oito deles encareceram em Belo Horizonte, de janeiro a setembro, acima da média geral, incluindo o leite, feijão-carioquinha, farinha de trigo, açúcar e tomate. No mês passado, os gastos somaram R$ 490,74 na capital mineira, maior valor dos últimos anos e que já consumia quase a metade do salário mínimo (R$ 1.045), segundo pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), vinculada à […]

Continue lendo...

Alimentos da cesta básica sobem de preço na Grande BH

A Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento Thaize Martins do IPEAD/UFMG concedeu entrevista ao vivo para o Bom Dia Minas (13 de outubro de 2020) e repercutiu dados da pesquisa da Cesta Básica realizada pela fundação no mês de setembro de 2020. Assista a entrevista completa  clicando abaixo. Fonte: TV Globo Minas/Bom Dia Minas – Publicado em 14 de outubro de 2020.

Continue lendo...

Repercussão da pesquisa da Inflação realizada pelo IPEAD/UFMG

Inflação supera meta e faz alimentos pesarem no bolso do uberabense Ir ao supermercado atualmente é perceber que tudo está caro. O brasileiro sente diretamente os impactos da inflação. A cesta básica, os legumes e as verduras e a carne já consomem grande parte do salário do trabalhador. Para aqueles que sobrevivem do auxílio emergencial, a situação se torna ainda mais alarmante, tendo em vista a redução do valor do benefício.  Mas afinal, por que tudo está tão caro? Conforme o Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG), pela primeira vez em 2020, a inflação acumulada nos últimos 12 meses foi de 4,15%, acima da meta de 4,00% definida pelo Conselho […]

Continue lendo...

Comida cara pressiona inflação dos mais pobres em BH

Custo de vida sobe 3,13% para famílias com renda entre um e 5 salários mínimos na capital, enquanto o IPCA variou 2,40%. Não há esperança de que reajustes arrefeçam nos próximos meses Como consequência dos aumentos dos preços dos alimentos, a inflação de Belo Horizonte sacrifica mais a população pobre. De janeiro a setembro, o custo de vida subiu 3,13% medido pelo Índice de Preços ao Consumidor Restrito (IPCR), que retrata os gastos das famílias com renda entre um e cinco salários (até R$ 5.225) na capital, segundo a pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), vinculada à UFMG. A pressão no bolso foi menor para quem ganha entre um e 40 salários mínimos (até R$ 41.800) […]

Continue lendo...

Alta do arroz impulsiona inflação na capital mineira em setembro

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de Belo Horizonte apresentou um avanço de 0,64% em setembro na comparação com agosto. O dado foi divulgado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG). Os maiores destaques em relação à variação positiva foram os alimentos elaboração primária (6,74%), alimentos industrializados (2,15%) e artigos para residência (1,40%). Já do lado das quedas, a maior foi verificada em alimentos in natura (5,79%). Conforme explica a coordenadora de pesquisa da entidade, Thaíze Martins, a elevação nos preços dos alimentos elaboração primária está bastante relacionada aos valores do arroz, que apresentaram um avanço de 17% em setembro e de 44% no ano. “O […]

Continue lendo...

Cesta básica em BH atinge preço mais alto do ano em setembro

Preço da cesta básica chegou aos R$ 490,74, também o valor nominal mais alto desde 1994 A cesta básica em Belo Horizonte atingiu seu maior preço neste ano no mês de setembro, chegando a R$ 490,74, aponta levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead/UFMG). O aumento foi puxado, principalmente, pelo arroz, óleo, leite, chã de dentro e tomate. O valor representa 46,96% ou quase metade de um salário mínimo, atualmente cotado em R$ 1.045. No comparativo com o mês de agosto, o aumento registrado foi de 2,48%; no comparativo do ano, de 5,70% e, no acumulado de 12 meses, de 16,31%. Trata-se do maior valor nominal (ou seja, quando não se desconta a inflação do período) desde o início […]

Continue lendo...

Alta no custo de vida em BH atingiu mais os pobres que os ricos em setembro, aponta estudo

Estudo aponta aumento de 0,64% nos gastos de famílias com renda até 40 salários mínimos, enquanto variação chega a 1% entre os que ganham até R$ 5.225 O custo de vida aumentou em Belo Horizonte durante o mês de setembro, aponta estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead/UFMG). Esse encarecimento, entretanto, foi desigual: atingiu mais as pessoas que ganham até 5 salários mínimos do que as que recebem até 40. O estudo mostra que entre as pessoas que ganham até 40 salários (ou seja, até R$ 41.800), o aumento médio nos gastos foi de 0,64%. Por outro lado, para quem recebe até cinco salários (ou seja, até R$ 5.225), a alta foi de 1%. Vale lembrar […]

Continue lendo...

Divulgação índices do mês de setembro de 2020 + Pesquisa Dia das Crianças – Fundação IPEAD/UFMG

É com muita satisfação que o IPEAD/UFMG vem divulgar, em primeira mão, para toda a sociedade e imprensa os resultados dos estudos/pesquisas realizadas no mês de setembro de 2020 + a pesquisa especial do Dia das Crianças. A Fundação disponibiliza profissionais especialistas para atender às suas demandas e prestar os esclarecimentos necessários. Destaques: Neste período foi realizada uma pesquisa especial sobre a pretensão de compra para o Dia das Crianças, que se mostrou estar menos aquecido em relação ao ano de 2019. Para o comércio é previsto um movimento inferior, com uma queda de 11,34% na intenção de presentear, sendo este, o resultado mais baixo dos últimos cinco anos. Entretanto, dentre os 40,95% dos entrevistados que pretendem presentear no dia das Crianças, foi observado um aumento no ticket médio por presente, ficando […]

Continue lendo...