Repercussão da pesquisa da cesta básica do mês de fevereiro de 2021

Valor da cesta básica chegou, em fevereiro, a R$ 570,80; consumidores passaram a comprar só o essencial A Fundação IPEAD, por meio da coordenação de pesquisas, concedeu entrevista para a Record TV Minas em 03 de março de 2021 e repercutiu a pesquisa da cesta básica. Conforme levantamento, o custo da cesta básica apresentou queda em fevereiro/2021 (0,96%), custando R$ 570,80 no mês. Os principais responsáveis por essa queda foram o Tomate Santa Cruz (-13,26%), o Feijão carioquinha (-4,84%) e a Manteiga (-3,09%). No entanto, a cesta básica continua apresentando uma alta variação acumulada igual a 22,80% nos últimos 12 meses, aproximadamente cinco vezes maior do que a inflação. Fonte: Record TV MG – Publicado em 03/03/2021, por meio do […]

Continue lendo...

Disparada de preços faz carrinho do brasileiro ficar mais vazio

Custo de vida aumenta com inflação de itens importantes como alimentos, gás e combustível. Só a cesta básica teve maior alta em dez anos A cada ida ao supermercado, a comerciante Leila Santos, 50, tem visto os preços aumentarem e o carrinho ficar mais vazio. A conta no fim do mês também não fecha na hora de pagar as faturas de água, luz, gás, aluguel e a gasolina do carro. Só nos últimos meses, a família de quatro pessoas teve um acréscimo de 40% nas despesas. E claro, o salário não acompanhou os aumentos. “A gente vai cortando a carne, comendo ovo com salada, cortando qualquer despesa extra e fazendo os nossos ‘bicos’. É um sufoco, tem que se virar […]

Continue lendo...

Puxado pelos combustíveis, custo de vida aumenta em BH

O indicador teve expansão de 0,32% na capital em fevereiro devido, principalmente, ao aumento da gasolina e do gás O mês de fevereiro terminou com o custo de vida mais alto em Belo Horizonte, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (03/3) pelo Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG). O indicador, que teve expansão de 0,32% no mês passado, quando comparado a janeiro, leva em consideração os preços ao consumidor de variadas rendas. Entre os itens que mais contribuíram para o aumento dos preços na capital no segundo mês do ano, destaca-se a gasolina comum, que teve alta de 6,49% e o gás de cozinha, com aumento de 4%. O levantamento aponta que, no último mês, entre 11 itens agregados pesquisados, os […]

Continue lendo...

IPCA tem alta acumulada de 1,25% em dois meses em BH

A inflação em Belo Horizonte avançou mais uma vez em fevereiro. De acordo com os dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais da Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG), em fevereiro, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aumentou 0,32%, elevando para 5,2% a inflação acumulada nos últimos 12 meses. No primeiro bimestre, a inflação ficou 1,25% maior. No segundo mês de 2021, a gasolina foi o produto que mais contribuiu para a alta na inflação, já que o produto apresentou variação positiva de 6,49% nos preços. Os dados do Ipead mostram que dos 11 itens agregados que compõem o IPCA, ao longo de fevereiro, foram registradas altas de 1,70% em artigos de […]

Continue lendo...

Divulgação índices do mês de fevereiro de 2021 – Fundação IPEAD/UFMG

É com muita satisfação que o IPEAD/UFMG – Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de MG vem até este veículo de comunicação divulgar, em primeira mão, os resultados dos estudos/pesquisas realizadas no mês de fevereiro de 2021. A Fundação disponibiliza profissionais especialistas para atender às suas demandas e prestar os esclarecimentos necessários. Destaques: O custo de vida em Belo Horizonte, medido pelo IPCA e pelo IPCR, avançou no segundo mês do ano, ao ser comparado com janeiro, apresentando um aumento de 0,32% no mês de fevereiro. O resultado foi obtido a partir da pesquisa de preços dos produtos/serviços que são agrupados em 11 itens agregados, sendo os maiores destaques, em termos de variação, as altas de 1,70% para Artigos de residência, de 1,68% para Vestuário e complementos, de 1,64% para Encargos e manutenção e de 1,24% […]

Continue lendo...

Preço do gás de cozinha sufoca o orçamento

Com sucessivos reajustes, botijão de 13kg custa até R$ 96 nas revendas em BH. Em 2020, produto subiu o dobro da inflação. Neste ano, alta já passa de 10% O preço do gás de cozinha (GLP) foi reajustado em 5,05% nas refinarias das Petrobras na última terça-feira e o aumento já chegou às revendas do produto em Belo Horizonte, onde o botijão de 13kg é vendido, pela nova tabela, ao preço máximo de R$ 96, enquanto o cilindro de 45kg passou a custar R$ 365. O reajuste é o segundo deste ano e tudo indica que novo aumento deve ser aplicado este mês, impactando ainda mais o custo de vida do brasileiro num contexto de desemprego e queda de renda. No início do ano, […]

Continue lendo...

Combustível em alta no Brasil impacta fretes e deliveries

Reajustes podem respingar também no transporte urbano e na energia As novas altas nos preços dos combustíveis — a  quarta da gasolina e a terceira do diesel, que estão 34,78% e 27,72% mais caros, respectivamente, somente neste ano — que começaram a valer na última sexta-feira (19) vão muito além da bomba. Segundo especialistas, a alta tem potencial para impactar diversos setores da economia e pressionar o preço dos fretes, dos alimentos, das tarifas de transportes urbanos e até da energia. Sem conseguir absorver os prejuízos, de acordo com os empresários, a única certeza é que o aumento final irá cair na conta do consumidor. Se engana quem pensa que o aumento dos combustíveis fica somente na conta do motorista. […]

Continue lendo...

Cesta básica tem o sexto mês seguido de alta em Belo Horizonte

Item apresentou variação acumulada de 25,54% nos últimos 12 meses, aproximadamente sete vezes acima da inflação A cesta básica em Belo Horizonte ficou 1,68% mais cara em janeiro deste ano, em comparação com o último mês de dezembro. Esse é o sexto mês de alta em BH da cesta básica. Em janeiro, o produto estava sendo comercializado por R$ 576,32. Os principais responsáveis por essa elevação foram o Tomate Santa Cruz (20,21%), a carne Chã de dentro (1,33%) e a Manteiga (7,93%). No mês anterior, o valor da cesta na capital ficou em R$ 520,79%. Fatores como a pandemia do novo coronavírus, a pressão dos alimentos e a sensação de baixo poder de compra podem ser culpados por essa situação.  A cesta […]

Continue lendo...