Consumidores da capital continuam pessimistas, aponta o ICC do IPEAD

A confiança do consumidor belo-horizontino se manteve estável no mês de julho, resultado de uma percepção positiva da inflação e, ao mesmo tempo, uma pretensão de compra mais baixa no período. Na comparação de julho com junho deste ano, o Índice de Confiança do Consumidor de Belo Horizonte (ICC), divulgado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), aumentou 0,96%, alcançando os 35,70 pontos e permanecendo abaixo da linha dos 50 pontos, que separa o pessimismo do otimismo. A componente de percepção dos consumidores sobre a inflação alavancou o ICC com aumento de 16,16% em relação ao mês anterior. O Índice de Expectativa Econômica (IEE) apresentou uma elevação de 2,84% na mesma base comparativa. Já […]

Continue lendo...

Repercussão das pesquisas da Cesta Básica e Inflação de Belo Horizonte

A Rádio Inconfidência entrevistou (23/07) a Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento do IPEAD, Thaize Martins, e repercutiu dados das pesquisas da Cesta Básica e Inflação de Belo Horizonte (junho/2019). Clique abaixo e ouça a entrevista completa: Fonte: Rádio Inconfidência por Leandro Siqueira em 23/07/2019.

Continue lendo...

Renda dos trabalhadores cai, e sensação de escassez é maior

Em 2014, rendimento médio em Belo Horizonte comprava seis cestas básicas; agora, dá apenas para quatro, segundo levantamento do Ipead Se sobe o desemprego, a renda média do trabalhador cai. Nos últimos cinco anos,enquanto o total de desocupados de Minas Gerais subiu 69%, o rendimento encolheu 3,3%. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra por Domicílios (Pnad Contínua), no primeiro trimestre de 2014, os mineiros ganhavam em torno de R$ 2.025. No primeiro trimestre deste ano, a renda média havia caído para R$ 1.957. “Com um contingente maior de pessoas sem emprego, a oferta de trabalhadores fica maior e, consequentemente, o valor médio dos salários cai”, explica o professor de economia da Fundação Getulio Vargas (FGV) Mauro Rochlin. […]

Continue lendo...

Em 12 meses, índice que mede custo de vida dos mais pobres em BH foi maior

As famílias menos abastada na Região Metropolitana de Belo Horizonte sentiram mais os efeitos da inflação do que a classe com maior poder aquisitivo no acumulado dos últimos doze meses. É o que revela a comparação entre dois indicadores calculados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O primeiro é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), criado para medir a evolução dos preços de produtos e serviços às famílias com rendimentos de um a cinco salários mínimos (até R$ 4.990).  O segundo é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que avalia o sobe e desce dos preços de produtos e serviços às famílias que possuem renda entre um e 40 salários mínimos (até R$ […]

Continue lendo...

Conta de energia terá aumento em julho em Belo Horizonte

A conta de luz em Belo Horizonte terá aumento em julho. O acréscimo de 7,2% na energia elétrica foi um dos principais fatores para a inflação do mês de junho. A TV Record por meio do Balanço Geral MG entrevistou a Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação IPEAD-UFMG, Thaize Martins, e repercutiu a pesquisa da inflação, comentando o aumento da conta de energia elétrica em BH. Clique abaixo e assista a entrevista completa: Fonte:  TV Record por meio do Balanço Geral MG (Portal R7) publicado em 08/07/2019.

Continue lendo...

Energia impulsiona inflação em BH em Junho

A inflação em Belo Horizonte registrou alta de 0,16% em junho, impulsionada principalmente pela tarifa de energia elétrica, que apresentou elevação de 7,20% no período. No acumulado de 12 meses, o indicador atingiu 3,96%, sendo a primeira vez que ficou abaixo da meta para o ano, que é de 4,25%. No primeiro semestre de 2019, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo(IPCA) na Capital apresentou incremento de 2,52%. Os dados foram divulgados ontem pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais, ligada à Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG). Coordenadora de pesquisa da Ipead/UFMG, Thaize Martins explica que o índice no acumulado de 12 meses ficou abaixo da meta principalmente porque deixou de refletir o impacto […]

Continue lendo...

Pesquisa da Cesta Básica

A rádio Itatiaia entrevistou a Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação IPEAD-UFMG, Thaize Martins, e repercutiu a Pesquisa da Cesta Básica. Clique abaixo e ouça a entrevista completa: Título: Preço da cesta básica dispara e revolta população de BH: ‘Brasileiro vai começar passar fome’ Fonte: Rádio Itatiaia – Reportagem de Clever Ribeiro – Publicado em 22/06/2019.

Continue lendo...

O que é mais vantajoso: comer fora ou em casa?

A Rádio Itatiaia entrevistou a Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação IPEAD, Thaize Martins, e repercutiu a pesquisa do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) sobre o  item Alimentação. Clique abaixo e ouça a entrevista completa: Fonte: Rádio Itatiaia – Publicado em 12 de Junho de 2019, por Alessandra Mendes.

Continue lendo...

Dispara o custo da cesta básica em BH; preço dos produtos quase dobrou em 10 anos

“A solução é pesquisar, reduzir o consumo de determinados produtos ou substituí-los por outros”, aconselha o representante comercial Sérgio Soares, de 55 anos, diante de duas estatísticas divulgadas ontem sobre o custo da cesta básica em Belo Horizonte. Na primeira, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead/UFMG) constatou que o preço da chamada ração mínima quase dobrou em 10 anos.  Na segunda, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) concluiu que o morador da capital que recebe um salário mínimo (R$ 998) trabalha quase 94 horas por mês para adquirir uma cesta básica. “O preço dela quase dobrou em 10 anos. Avançou de R$ 225,76, em maio de 2009, para R$ 445,09 […]

Continue lendo...

Inflação em Belo Horizonte registra alta de 0,27% em maio

A inflação em Belo Horizonte, no mês de maio, registrou alta de 0,27% na relação com abril. Entre os principais itens a impactar o índice esteve a gasolina, que subiu 1,96%. O combustível tem importante peso no indicador devido à representatividade no orçamento das famílias. Os dados foram divulgados ontem pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas,Administrativas e Contábeis de Minas Gerais, ligada à Universidade Federal de Minas Gerais (Ipead/UFMG). Levando-se em conta a alta da inflação em maio, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) atingiu 2,36% no acumulado do ano. Em igual período de 2018, o indicador estava em 1,4%, mas ainda não havia o impacto da greve dos caminhoneiros, que pressionou os preços para cima. No acumulado […]

Continue lendo...