Pesquisa mostra ainda que a variação de preços dos ovos de chocolate chegou a 60,24%

A tradicional troca de ovos de chocolate será mais cara neste ano, segundo levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), da UFMG, que apontou um aumento da iguaria bem acima da inflação. Segundo a pesquisa, o preço médio dos ovos de Páscoa subiu 7,18% em 2019, quando comparado a 2018, enquanto a inflação oficial medida no período foi de 5,652%. Além disso, todas as marcas apresentaram pelo menos um produto cujo preço médio aumentou mais de 8% em 2019. O preço médio do ovo de chocolate na capital mineira ficou em R$ 41. O mais barato, entre os itens pesquisados, foi o ovo Ao Leite – 170g, da Lacta, encontrado a R$ 24,90. […]

Continue lendo...

Divulgação dos resultados sobre os itens mais consumidos na Páscoa – Fundação IPEAD/UFMG

É com muita satisfação que o IPEAD/UFMG – Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de MG vem até este veículo de comunicação divulgar, em primeira mão, os resultados dos estudos/pesquisas realizadas no mês de abril de 2019 sobre os itens mais consumidos na Páscoa e disponibiliza profissionais especialistas para atender às suas demandas e prestar os esclarecimentos necessários. Destaques: A grande dispersão entre os valores mínimo e máximo dos ovos de páscoa foi um dos destaques da pesquisa, sendo constatado dispersões de até 60,24% para o mesmo produto. O custo médio dos Ovos de Páscoa em 2019 apresentaram elevação de preços em relação aos praticados no mesmo período em 2018, sendo esta variação próxima de 7,0%. O valor médio entre os ovos de chocolate pesquisados está em torno de R$ 40,00 a unidade. Assim  como observado em 2018, o custo […]

Continue lendo...

Inflação camuflada: consumidores sentem alta de preços além do índice oficial e mudam hábitos

Abril nem saiu do começo, mas, para muita gente, o salário já está nas últimas. E o motivo é simples. Embora os institutos apontem que a inflação em Belo Horizonte já esteve maior durante a crise econômica, alguns produtos subiram muito mais do que o estimado, e o consumidor tem sentido dificuldade para fechar as contas. A solução é só uma: cortar onde for possível.  Segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead), em 2016 a inflação na capital mineira bateu 7,86% ao ano. Em 2018, foi 4,59%. Conforme a coordenadora de pesquisas do instituto, Thaize Vieira, a inflação é composta por 210 produtos. Dependendo de como as pessoas utilizam os itens, o gasto […]

Continue lendo...